sexta-feira, 29 de abril de 2011

SEM FEMINISMO NÃO HÁ SOCIALISMO!
As mulheres estudantes também lutam por:

» Garantia de creches e educação infantil em tempo integral;

» Pela criação do Plano Nacional de Assistência que contemple as casas de estudantes, que respeitem a questão de gênero e raça e as creches universitárias;

» Segurança feminina com treinamento específico 24 horas nos campi;

» Incorporação da questão de gênero nos currículos dos cursos de ensino superior;

» Educação não sexista, não racista e não homofóbica;

» Ofensiva de denúncia ao machismo na Universidade e no Movimento Estudantil;

» Fomento à produção de conhecimento sobre gênero;

» Incorporação de bandeiras do Movimento Estudantil, que afetam fortemente as mulheres, às pautas do movimento feminista, como 10% do PIB para a educação;

» 50% do Fundo Social para Educação;

» Por um PNE que inclua um recorte de gênero e raça;

» Erradicar o analfabetismo;

» Lutar pela igualdade salarial;

» Autonomia econômica das mulheres;

» Legalização do aborto;

» Fortalecer o EME entendendo ser este um espaço fundamental do Movimento estudantil;


Que as entidades do Movimento Estudantil se incorporem ao calendário unificado do Movimento Feminista:

8 de março – dia internacional de luta das mulheres

25 de maio – Dia da mulher negra latino-americana

25 de junho – dia de mobilização por uma educação não sexista

29 de agosto – dia da visibilidade lésbica

28 de setembro – dia de luta pela legalização do aborto

17 de outubro – dia de luta contra a pobreza entre as mulheres

20 de novembro – dia da consciência negra

25 de novembro – dia internacional de combate à violência contra as mulheres.
Salvador, Bahia, 24 de abril de 2011.
Da redação
Em nenhum momento a maternidade é tratada como escolha, direito da mulher e autonomia sobre o próprio corpo. No Plano Nacional de Direitos Humanos III a discussão sobre o aborto foi suprimida, ignorando que esse debate fosse tratado como uma questão de saúde pública, fruto da pressão religiosa. A defesa do Estado laico é central para o movimento feminista.

Sabemos que o fato de sermos estudantes é fruto da luta de mulheres que vieram antes de nós e conquistaram o direito das mulheres à educação. As mulheres representam hoje 55% dos estudantes universitários, mas ainda é necessário romper preconceitos e discriminações sociais que concentram as mulheres em áreas do saber relacionadas ao que é tradicionalmente considerado feminino.

Nos espaços da universidade são recorrentes o constrangimento moral e o assédio sexual contra as estudantes, em especial durante as festas e atividades de recepção às e aos estudantes ingressantes. Acontecimentos como o desfile das bixetes, o rodeio das gordas, os trotes e as piadas com apelo sexual são lamentáveis e reproduzem a concepção machista da mulher como mero objeto de desejo.

Também nas universidades, temos muitos desafios, necessitamos de uma política de assistência estudantil específica para as mães estudantes, assim como a efetivação do direito a licença-maternidade para as estas. As reivindicações pelas melhorias na assistência estudantil passam também pela luta pelo aumento de verbas na educação pública. Está em disputa os rumos do Plano Nacional de Educação em âmbito federal. A luta pelos 10% do PIB para a educação publica também é nossa, indo de encontro aos recentes cortes na educação que atende a agenda conservadora no país.

A organização permanente das estudantes é fundamental, pois é ela que garante a incorporação das bandeiras feministas na agenda política do movimento estudantil e da universidade. Se há avanços, ainda há muito por fazer: mesmo nos espaços do movimento estudantil persistem situações de machismo e opressão. Os espaços políticos ainda são compostos majoritariamente por homens, e a luta e a militância das mulheres continua sendo colocada em segundo plano.

Nesse sentido, as mulheres da UNE entendem que a universidade não está deslocada do conjunto da sociedade e que na luta contra a opressão sexista é necessária a união destas às diversas instâncias dos movimentos sociais, entre elas o movimento negro, o movimento de mulheres do campo, as mulheres lésbicas, as mulheres indígenas.
Reforma Política: mais mulheres nos espaços de decisão!

A luta por mais participação política das mulheres é pungente. Mesmo que a eleição da primeira Presidenta da República mulher, tenha tido um impacto simbólico para nossa sociedade, sabemos que isso apenas não basta para mudar a vida das mulheres. Nosso debate parte da compreensão sobre as tarefas e desafios para a luta feminista. Portanto, o debate sobre Reforma Política em curso é de fundamental importância, garantindo que o processo termine com vitórias para as mulheres. Nesse sentido, a lista fechada com alternância de gênero e financiamento público de campanha são agendas comuns que possibilitarão um avanço para o aumento da participação política das mulheres nos espaços representativos.

O tema “Ô abre alas que a mulheres vão passar” deste IV EME coloca, para nós estudantes, o desafio de afirmar a nossa passagem, e chegada efetiva, nos espaços de decisão na sociedade e nos responsabiliza pela participação na luta de aprovarmos uma reforma política inclusiva em nosso país. Tendo em vista o acúmulo que tivemos neste IV EME onde destacamos mais uma vez, nossa luta pela desnaturalização do modelo de vida que a sociedade nos impõe com as atribuições e responsabilidades consideradas femininas que servem para nos encaminhar ao espaço privado, exigimos medidas efetivas para nossa garantia nos espaços públicos valorizados que tanto lutamos.

Para isso, é necessário que a UNE incida na discussão da reforma política de modo a defender a participação das mulheres nos espaços de decisão. Mas, também, que ela concretize na sua própria estrutura interna a participação efetiva das mulheres nos espaços de direção garantindo 30% de cotas para mulheres nas estruturas da entidade, assistência estudantil específica para as mulheres estudantes que garanta sua permanência na universidade.

Propomos a seguinte agenda feminista para a UNE no próximo período:

•         Reforma política: Mais Mulheres nos espaços de Decisão!
•         Por creches universitárias em tempo integral!
•         Cumprimento de 30% de cotas para mulheres na diretoria da UNE, na executiva e no pleno!
•         Legalização do aborto
Carta das Mulheres Estudantes BrasileirasNós, mulheres reunidas no IV Encontro de Mulheres Estudantes da UNE, nos dias 21 e 24 de abril de 2011, afirmamos a atualidade da luta das mulheres e reafirmamos nosso compromisso com a luta pela superação do patriarcado, do machismo, do racismo e pela garantia da nossa autonomia e para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

As Mulheres transformando a universidade
A opressão das mulheres está presente no cotidiano de suas vidas. Tal opressão se estrutura a partir do espaço privado familiar e da divisão sexual do trabalho que organiza toda a estrutura social e impõe um modelo de existência eurocêntrica. Responsabiliza a mulher pelos afazeres domésticos, relacionados à limpeza, à cozinha, ao cuidado e à assistência às crianças, aos idosos e aos doentes; impõe a desvalorização e a sub-remuneração do trabalho feminino; desresponsabilizando o Estado destas tarefas coletivas, sobrecarregando as mulheres através da exploração pelo núcleo familiar. Nesse sentido, às mulheres cabe a reprodução e cuidado da sociedade.

Por outro lado, aos homens fica a responsabilidade do trabalho de produção valorizado, excluindo a mulher da participação política em nossa sociedade. Ainda hoje, somos minoria esmagadora nos espaços de decisão da sociedade, no parlamento, no legislativo e no executivo.

A violência contra a mulher também continua sendo uma realidade cotidiana, em especial na esfera doméstica. Naturaliza-se a violência psicológica, moral e a agressão física contra as mulheres. A questão da violência contra a mulher pode ser potencializada se, além de mulher, ela for lésbica, negra, pobre, migrante e portadora de deficiência.
A violência específica contra as lésbicas pode ser manifestada nos estupros corretivos, ausência de informação e métodos de proteção contra DSTs, impossibilidade de união estável com direitos plenos, enfim, ausência de políticas públicas específicas. A falta de visibilidade das lésbicas na sociedade corrobora com este cenário de descaso e negligência. Ignorar a existência das lésbicas é cercear nosso direito de lutar por nossa emancipação.

As mulheres negras ainda são aquelas que vivem uma realidade do trabalho informal e precarizado, principalmente dentro do trabalho doméstico, onde estas são a maioria. Destacamos ainda que apesar das políticas públicas como as cotas, terem inserido a população negra nesses espaços, as mulheres negras  ainda não possuem uma participação efetiva ,tendo portanto uma menor representação nos espaços do movimento estudantil,que representa uma realidade branca e de classe média. O sentido do IV EME acontecer na cidade do Salvador-BA cumpre o papel de colocar nos espaços do M.E. a realidade das mulheres negras na agenda das mulheres estudantes, hoje estas são a parcela das mulheres que vivem abaixo da linha da pobreza e que sofrem com os abortos ilegais e inseguros, além de engrossarem as estatísticas de desemprego e subempregos.

Acompanhamos uma contra ofensiva conservadora em todo o país. Um importante exemplo é como foram tratadas as mais importantes pautas do movimento feminista no processo eleitoral de 2010: a união civil de pessoas do mesmo sexo, o casamento civil igualitário e o aborto. Este especificamente foi tratado como algo a ser criminalizado ou apenas não debatido.

4º Encontro de Mulheres Estudantes da UNE em Salvador reúne mais de 700 estudantes de todo o país

O 4º Encontro de Mulheres Estudantes da UNE reuniu entre os dias 21 e 24 de abril mais de 700 estudantes de todo o Brasil na Universidade Federal da Bahia (UFBA), campus Ondina em Salvador.  Com a temática “Ô abre alas que as mulheres vão passar”, o 4º EME tratou das históricas bandeiras de luta do movimento estudantil tendo como enfoque as mulheres estudantes.
Durante os quatro dias de encontro, temas como assistência na universidade, aborto e a inserção das mulheres na política foram debatidos. O público feminino presente no evento reafirmou a atualidade da luta das mulheres e o compromisso pela superação do patriarcado, do machismo, do racismo, homofobia e  lutando pela garantia de autonomia e a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.
“A luta contra o machismo é fundamental e atual. O Brasil ainda está distante de ser uma sociedade igual para mulheres e homens. Queremos mulheres na política e no poder! Chega de machismo na universidade! Viva a luta feminista!” afirmou o presidente da UNE Augusto Chagas que participou cerimônia de abertura do 4º EME.
No encontro foi defendida a necessidade da UNE incorporar em seu debate a reforma política e agregar entre suas principais tarefas estudantis a luta por creches universitárias em tempo integral, a destinação de 30% de cotas para as mulheres na diretoria executiva e no pleno da entidade e a luta pela legalização do aborto.


A luta por participação política das mulheres é a luta cotidiana das mulheres que foram historicamente colocadas nos espaços privados. A eleição da primeira Presidenta da República apresenta um novo cenário para a participação das mulheres nos espaços de poder. A reforma política em debate no Senado é de fundamental importância para garantir que as mulheres possam estar inseridas nos processos eleitorais de forma igualitária aos homens. Nesse sentido, as mulheres estudantes defendem a lista fechada com alternância de gênero e financiamento público de campanha que possibilitarão um avanço para o aumento da participação política das mulheres nos espaços de poder.

Campanha pela Legalização do Aborto
O 4º EME continuou reafirmando a defesa da legalização do aborto, como uma importante luta das mulheres. A Campanha pela Legalização do Aborto, aprovada em 2007, foi um importante instrumento para dar visibilidade ao debate e denunciar a opressão e o preconceito vividos pelas mulheres com a criminalização da prática do aborto. Os números do aborto no Brasil são alarmantes e são as jovens mulheres e negras que mais morrem em decorrência dessa ilegalidade. A partir da campanha, percebeu-se a necessidade do assunto ser abordado constantemente no movimento estudantil.  Portanto, as mulheres estudantes da UNE continuam defendendo a legalização do aborto e afirmando o direito das mulheres de decidirem sobre seus suas vidas e corpos.
Reforma Política: mais mulheres nos espaços de decisão!
Confira no Flickr da UNE, fotos das etapas estaduais e as imagens oficiais do 4º Encontro de Mulheres da UNE: http://migre.me/4nIwM

Giro pelo Interior: municípios promovem eventos agropecuários

O município de Parnamirim, no Sertão Central, promove nos dias 28, 29 e 30 a 6ª Feira de Caprinos e Ovinos, no Mercado do Produto Rural da cidade. Em Santa Filomena, vai acontecer de 28 a 1º de maio, na Praça da Matriz no Centro do município, a Caprinofiló. Já em São Bento do Una, no Agreste, vai até o domingo (1), no Parque de Exposição, o tradicional Torneio Leiteiro da região. Todos os eventos têm o apoio do Governo do Estado por meio da Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária (SARA).
Em São Bento do Uma o Torneio vai reunir cerca de 30 animais bovinos das raças Holandesa e Girlando – de aptidão leiteira - e serão realizadas seis ordenhas. A Feira de Parnamirim tem como foco a comercialização de animais locais e de municípios da região. “É um evento que cresce a cada ano, pois é grande a procura por baias pelos criadores de Custodia, Serra Talhada, Sertânia e Petrolina”, avaliou o prefeito de Parnamirim, Ferdinando Carvalho. Em Santa Filomena serão expostos 300 animais, cuja comercialização dever chegar a R$ 15 mil.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Câmara Federal terá Frente da Juventude

Grupo de parlamentares será responsável pela proposição e discussão de políticas públicas e o Estatuto da Juventude.

 
Será instalada na próxima quarta-feira (27), às 9h30, a Frente Parlamentar em Defesa da Juventude, na Câmara dos Deputados O grupo terá como objetivo promover amplo debate sobre as políticas públicas de juventude, em seus aspectos éticos, morais, técnicos, científicos e, em especial, os relativos aos direitos e garantias fundamentais. O presidente da frente parlamentar, deputado Domingos Neto (PSB-CE), afirma que será prioridade a votação do Plano Nacional da Juventude e do Estatuto da Juventude (PLs 4530/04 e 4529/04). Também está na agenda seminário nacional sobre direitos humanos para os jovens e combate ao crack.

Domingos Neto afirma que a frente será dividida em coordenações temáticas, que vão discutir assuntos como as reformas política e tributária, a participação da frente na Política Nacional de Direitos Humanos e o fortalecimento da Secretaria Nacional de Juventude e das políticas públicas para a juventude no governo federal.

Para a instalação da frente, foram convidados o presidente do Conselho Nacional da Juventude, Gabriel Medina; a secretária nacional da Juventude, Severine Macedo; além de representantes da União Nacional dos Estudantes (UNE), da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), da Central Única das Favelas (Cufa) e da Confederação Nacional dos Jovens Empresários (Conaje).

A mesa da frente parlamentar será composta por Domingos Neto e pelos deputados Alexandre Leite (DEM-SP), Bruna Furlan (PSDB-SP), Gabriel Guimarães (PT-MG), Hugo Motta (PMDB-PB), Jhonatan de Jesus (PRB-RR), Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) e Ronaldo Fonseca (PR-DF).

A instalação será realizada no auditório Freitas Nobre (anexo 4 da Câmara).

Por Agência Câmara.

Cintra Galvão presta homenagem

Belo Jardim- Um momento marcante e histórico foi presenciado por nossa reportagem. Quando o cortejo fúnebre passava em frente a casa do seu maior adversário político, Cintra Galvão, o mesmo estava com a família observando a passagem do corpo de Mendonção, quando Mendonça Filho mandou parar o carro, se dirigiu até Cintra Galvão e os dois se cumprimentaram diante dos aplausos de uma multidão. Um gesto de grandeza que mexeu com todos. Diante dos nossos olhos, as famílias Mendonça e Cintra Galvão trocaram gestos nobres de fraternidade. Muitos choraram com a cena, que entrou para a história do município. Depois Cintra Galvão acompanhou o cortejo até o cemitério São Sebastião. Uma demonstração de respeito mútuo que mostra que é possível reaver a forma de se fazer política em algumas cidades do Agreste pernambucano.

No túnel do tempo

No momento de curtição e de boemia em Belo Jardim, José Mendonça, que ainda não militava em política, era uma caipora, mas já fazia planos de disputar um mandato eletivo.

No túnel do tempo

Boêmio e apaixonado pela noite, Mendonção, como era chamado carinhosamente, dança uma valsa com Fana, sua eterna musa inspiradora, na cidade de Belo Jardim, sua terra natal, nos anos 50.

segunda-feira, 25 de abril de 2011


A Confederação Nacional de Municípios (CNM) orienta os gestores municipais a alertarem a população para o cumprimento das exigências do Programa Bolsa Família. Até o mês de março, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) cancelou os benefícios para mais de 40 mil pessoas. “Por mais que os beneficiários não tenham colaborado para cumprir com as condicionalidades, sempre resta um desgaste para o gestor público municipal na ocasião do cancelamento, pois eles não se acham culpados”, explica o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski.
 
Para receber os recursos do programa, os beneficiários devem exercer algumas exigências, como cumprir a agenda de Saúde e manter a frequência escolar das crianças e adolescentes de seis a 15 anos em pelo menos 85%. Para adolescentes de 16 e 17 anos, é cobrada frequência mínima de 75% nas aulas.
 
Além das exigências, o participante do programa não pode ultrapassar a renda mensal familiar de R$ 140 por pessoa. Em caso de descumprimento das regras, o Bolsa Família prevê quatro etapas até o cancelamento do benefício. Primeiro o ministério adverte o beneficiário; depois bloqueia o pagamento; suspende o recurso; e, enfim, cancela definitivamente a bolsa. No mesmo período em que as 40 mil bolsas foram canceladas, o ministério suspendeu o benefício de 120.548 famílias que não respeitaram as exigências do programa.
 
Agência CNM, com informações da Agência Brasil

Vereador Jamil Murad promove debate em homenagem a Cuba


Acontece no próximo dia 25, segunda-feira, a partir das 19h na Câmara Municipal de São Paulo, o debate “Os 50 anos da vitória em Praia Girón”. O evento, aberto ao público, é uma homenagem e um ato de apoio do vereador Jamil Murad (PCdoB)ao povo cubano que, em abril de 1961, venceu, naquele local, a invasão inimiga financiada pelos Estados Unidos.

Para debater o tema, estão confirmadas as presenças de Lázaro Cabrera, cônsul-geral de Cuba; Vivian Mendes, do Movimento Paulista de Solidariedade a Cuba; Socorro Gomes, presidente do Cebrapaz, além do próprio parlamentar proponente.

Com o apoio do PCdoB, do Cebrapaz, da Fundação Maurício Grabois, do portal Vermelho e da UJS, o debate visa pôr em pauta a trajetória de resistência da Ilha e a luta pelo socialismo tanto no cenário pós-revolução quanto nos dias de hoje em que o país busca atualizar sua economia e sua política frente aos desafios do século 21.

“Queremos homenagear o povo cubano e a luta árdua que tem travado para vencer as agressões imperialistas e construir o socialismo na Ilha. Seu heroísmo é um patrimônio da humanidade”, disse o vereador Jamil Murad.

Para ele, o episódio de Praia Girón mostra não apenas a disposição dos cubanos em construir um novo país como também o caráter da ofensiva estadunidense para minar o caminho socialista escolhido pela Ilha.  "Cuba tem superado seus obstáculos e obtido grandes vitórias. Isso nos dá muita alegria e orgulho", colocou Murad.

“Ao longo desses 50 anos de revolução, Cuba e o socialismo nos permitiram sonhar com a possibilidade de um mundo humano, mais justo com as diversidades”, argumentou Netinho de Paula, que compõe com Jamil a bancada comunista na Câmara paulistana.

Segundo ele, “por mais que existam dificuldades, o povo cubano jamais deixou de acreditar nesta revolução e segue empunhando a bandeira pela igualdade e pela soberania de seu país. Acho muito justo e oportuno que façamos esta homenagem a Cuba”.

O debate “Os 50 anos de Praia Girón” acontece dia 25/04, a partir das 19h, no Salão Nobre da Câmara de São Paulo (Viaduto Jacareí, 100 – 8º andar). Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 3396-4390 ou pelo e-mailimprensajamilmurad@camara.sp.gov.br

História

Há 50 anos, no dia 17 de abril de 1961, pouco mais de dois anos após a vitória da Revolução Cubana, os Estados Unidos, preocupados com a “ameaça socialista” e sob o governo do republicano Dwight  Eisenhower, resolveram financiar um exército mercenário para invadir a Ilha.

A invasão teve início com um bombardeio repentino às bases aéreas cubanas, mas bastaram 72 horas para que o povo cubano vencesse a brigada mercenária treinada durante meses pela CIA. No enterro das vítimas do ataque, Fidel Castro proclamou o caráter socialista da revolução, caminho que já vinha se desenhando por meio das medidas tomadas pelo novo governo desde o final dos anos 1960.
 
Por Assessoria de Imprensa Jamil Murad.

Brasil conhece adversários da Universíade 2011 da China


Foram definidas, neste sábado (16/04), as chaves dos torneios de basquete, vôlei, futebol e polo aquático da Universíade 2011, na China, de 12 a 23/08. O sorteio ocorreu durante a reunião de Chefes de Delegação, em Shenzhen, cidade sede da Universíade. Roberto Maldonado, Alessandro Gomes e Ricardo Moura, diretores da CBDU, representaram o Brasil no encontro.
Na disputa masculina de polo aquático, a seleção brasileira está no grupo B ao lado de Austrália e Rússia. Pelo torneio de vôlei feminino, o Brasil encara, no grupo B, Itália, Eslovênia e Ucrânia. E na chave masculina de vôlei, a seleção verde-amarela terá pela frente Coréia, Suécia, Hong Kong e Israel no grupo C da Universíade 2011.
Brasil, Eslováquia, Estados Unidos e Grã-Bretanha compõem o grupo B, um dos mais fortes do torneio feminino de basquete. Na disputa masculina, a seleção brasileira está na chave A ao lado de China, Alemanha, Romênia, República Tcheca e Emirados Árabes.
Nas disputas de futebol, as meninas do Brasil enfrentam, pela chave C, as seleções de Japão, França e Estônia. E a equipe masculina terá pela frente, no grupo B, Ucrânia, Rússia e Malásia.
Confira abaixo as chaves dos torneios da Universíade 2011:
Polo Aquático (chave masculina):
Chave A - China, Espanha, Turquia e Coréia
Chave B - Austrália, Rússia e Brasil
Chave C - Estados Unidos, Cingapura, Sérvia e França
Chave D - Hungria, Itália e Japão
Vôlei (chave feminina):
Chave A - China, Japão, Suécia e Bélgica
Chave B - Itália, Brasil, Eslovênia e Ucrânia
Chave C - Polônia, Taipei, Canadá e França
Chave D - Tailândia, Hong Kong, Rússia e Noruega
Vôlei (chave masculina):
Chave A - China, Canadá, Suiça, Austrália e Noruega
Chave B - Rússia, Ucrânia, Japão, África do Sul, Irã e Omã
Chave C - Brasil, Coréia, Suécia, Hong Kong e Israel
Chave D - México, Estados Unidos, Emirados Árabes, Tailândia, República Tcheca e Turquia
Basquete (chave feminina):
Chave A - China, Taipei, França e Lituânia
Chave B - Estados Unidos, Grã-Bretanha, Eslováquia e Brasil
Chave C - Rússia, Polônia, Canadá e África do Sul
Chave D - Japão, República Tcheca, Suécia e Austrália.
Basquete (chave masculina):
Chave A - China, Alemanha, Romênia, Brasil, República Tcheca e Emirados Árabes
Chave B - Sérvia, Turquia, Canadá, Austrália, África do Sul e Honk KOng
Chave C - Rússia, Lituânia, Ucrânia, Japão, Filipinas e Nova Zelândia
Chave D - Estados Unidos, México, Coréia, Israel, Finlândia e Hungria
Futebol (chave feminina):
Chave A - China, Grã-Bretanha, Canadá e Taipei
Chave B - Coréia, Rússia, México e África do Sul
Chave C - Brasil, Japão, França e Estônia
Futebol (chave masculina):
Chave A - China, Coréia, Colômbia e África do Sul
Chave B - Ucrânia, Brasil, Rússia e Malásia
Chave C - Itália, República Tcheca, Uruguai e Tailândia
Chave D - Gana, Canadá, Japão e Grã-Bretanha

CBDU

Campeonato Brasileiro Universitário de Rugby Seven 2011 será nos dias 11 e 12 de junho

A data de realização do 2ª Campeonato Brasileiro Universitário de Rugby Sevens foi adiada em virtude da adequação dos calendários da Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU) e da Confederação Brasileira de Rugby (CBRu), parceiras na realização do torneio.
O Brasileiro Universitário de Rugby Sevens 2011, inicialmente previsto para entre os dias 20 e 22 de maio, será realizado nos dias 11 e 12 de junho. A definição da cidade sede do torneio irá ocorrer na primeira semana de maio. Seis municípios já apresentaram projetos para receber a competição que estão sendo analisados pelas diretorias da CBDU e da CBRu.
“Tendo em vista a importância da competição e a grande procura de equipes de vários estados do país, resolvemos fazer esta alteração na data do Brasileiro Universitário de Rugby 2011 para atendermos as demandas das federações e das equipes e sincronizar, definitivamente, os calendários da CBDU e da CBRu, priorizando sempre o nível técnico do torneio que, com certeza, será ainda maior que nas disputas do ano passado”, destaca Marcelo Falcão, diretor jurídico da CBDU e coordenador do torneio.
A edição de estréia do Campeonato Brasileiro Universitário de Rugby Sevens, realizada em dezembro de 2010, em São Paulo (SP), reuniu 13 equipes de seis estados. Os times da Politécnica (SP), na chave masculina, e da UCL (ES), na feminina, ficaram com o título.
"O rugby universitário cresceu muito por todo o país, tanto em número de praticantes quanto em qualidade técnica. E o Brasileiro Universitário de Rugby Sevens reúne as melhores equipes em uma única cidade para um final de semana festivo de puro rugby", afirma Sami Arap, presidente da CBRu.
CBDU e CBRu

UEE-SP convoca o 10º Congresso da entidade


A União Estadual dos Estudantes de São Paulo (UEE-SP) convoca os estudantes paulistas rumo a Piracicaba. A cidade do interior do estado sediará o 10º Congresso da entidade, que ocorrerá entre os dias 23 a 26 de junho, na Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP).
O município vai receber mais de 1.500 universitários, de acordo com a organização do evento. Além de deliberar sobre questões importantes do movimento estudantil paulista, os jovens vão eleger a nova diretoria e o presidente da entidade.
Um grande congresso está sendo preparado. Durante quatro dias, estudantes de todo o estado poderão participar de atividades e debates sobre temas diversos como cultura, movimento estudantil, comunicação, universidades privadas e públicas. Um dos destaques será uma mesa sobre a Copa do Mundo de 2014, onde será discutida a participação e o protagonismo dos estudantes neste grande projeto.
Está previsto também a realização do Seminário Estadual de Educação com o tema “O papel social da universidade brasileira! Educação, Meio Ambiente e Ciência e Tecnologia!”. Segundo a organização, nomes como o do senador por São Paulo Eduardo Suplicy, o da ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, do jornalista Paulo Henrique Amorim e do atual ministro dos Esportes Orlando Silva estão sendo cogitados para participarem do evento.
“No congresso, vamos ter um grande ato do movimento social, com a presença de parlamentares, líderes sociais, deputados e educadores. Realizaremos ainda uma bonita atividade em homenagem aos ex-presidentes da UEE. Esperamos contar coma presença de José Dirceu e José Serra, nomes importantes que passaram pela nossa entidade”, conta o atual presidente da UEE-SP, Carlos Eduardo Siqueira.
Balanço da gestão
Há dois anos à frente da entidade e prestes a deixar o cargo, Carlos acredita que conseguiu dar continuidade à tradição das UEEs espalhadas em todo o país de ampliar a luta dos estudantes. “Participamos ativamente da gestão da entidade e mobilizamos os estudantes e a juventude paulista para os principais eventos nacionais, fora que nestes dois anos mobilizamos a nossa base em torno dos CAs e DCEs. Fizemos uma bela jornada de lutas e organizamos diversos debates no interior das universidades” afirma.
A UEE-SP fez fez parte ainda da conquista do apoio de parlamentares de diferentes partidos para que o Projeto de Emenda Constitucional (PEC)  nº 9 possa ser votado a qualquer momento na  Assembléia Legislativa de São Paulo, garantindo que 50% dos recursos do Fundo de Participação dos Estados seria destinado para educação, meio ambiente e ciência e tecnologia, nos moldes da campanha nacional da UNE e da UBES pelos 50% do Pré-sal para a educação
“Queremos que todos os recursos sejam aplicados na infra-estrutura da educação paulista, ou seja uma reforma educacional na qual conste no Plano Estadual de Educação de São Paulo reformas estruturais como: reconstrução de estruturas das universidades e escolas, modernização da rede de computadores de universidades e escolas, implementação de lousas digitais nas salas de aulas, construção da universidade de ensino tecnológico do estado e a criação do fundo estadual de assistência estudantil”, pontua.
Segundo Carlos, nas manifestações contra o aumento abusivo da passagem de ônibus em São Paulo, a UEE-SP estava lá: “Nas passagens atuamos nas primeiras horas do aumento, apresentamos uma mini-reforma para o transporte da capital, na verdade não só na capital, pois o aumento foi em todo o estado e organizamos diversas mobilizações com outras organizações! Lutamos pelo passe-livre e a meia passagem nos municípios”, explica.
“Muita coisa ainda tem que ser feita, mas sabemos que o movimento estudantil de São Paulo esta em plena recuperação do seu papel de formador de opinião e conquista a cada dia seu espaço na sociedade paulista”, finaliza o presidente.
Piracicaba: palco do 10º Congresso da UEE-SP
Localizada no interior de São Paulo, a cidade de Piracicaba sempre recebeu de braços abertos o movimento estudantil. Em 1980, sediou o 32º Congresso da UNE (CONUNE) recebendo mais de 5 mil estudantes de todo o país, na época com o receio de uma repressão pelo regime militar.
Em 1982, a entidade retorna a Piracicaba, desta vez para o histórico 34º CONUNE que elegeu a primeira mulher presidente da UNE, Clara Araujo. Porém, uma tensão envolvia os estudantes. O presidente da entidade na época, Javier Alfaya, era um cidadão espanhol que tinha sua liberdade vigiada e diariamente comparecia a Polícia Federal correndo o risco de expulsão do país por ser um estrangeiro ligado a atividades políticas.
No final de 2010 o movimento estudantil volta novamente à cidade, através de uma visita do presidente da UEE-SP, Carlos Eduardo, acompanhado do presidente da UNE, Augusto Chagas e outros dirigentes das entidades.
O prefeito da cidade Barjas Negri recebeu as estudantes e cumprimentou a iniciativa escolher Piracicaba para sediar o 10º Congresso da UEE-SP. “Vejo com bons olhos este evento. É algo bom para cidade e, por isso, vamos fazer o que é possível dentro da estrutura administrativa”. Barjas lembrou que, na década de 80, era secretário de Educação e esteve envolvido no Congresso realizado na cidade. “Fiquei maluco na ocasião”, disse, aos risos, desejando sucesso aos estudantes e se colocando a disposição para a viabilização do evento.
Como participar do 10º Congresso da UEE-SP
O credenciamento para o 52º Congresso da UNE já inclui a participação no encontro da entidade paulista.  Para quem ainda não se credenciou e quer participar, basta procurar o DCE da sua universidade para saber outras informações a respeito de caravanas e inscrições.
Você também pode falar direto com a UEE-SP pelo telefone  (11) 5539-0060 ou tirar dúvidas pelo email10congressoueesp@gmail.com .

O custo para os delegados, ou seja, os estudantes que vão representar a instituição, com direito a voto no Congresso, é de R$ 50,00 . Para os suplentes também.
Para os observadores, que podem participar de todas as atividades (mas não votam), incluindo os shows e debates, o valor é de R$ 60,00 .
Em ambos os casos, a alimentação e o alojamento estarão garantidos.  Não deixe para a última hora. Forme já a sua delegação.
Rumo ao 52º Congresso da UNEOs delegados que participarão da décima edição do Congresso da UEE-SP também serão os estudantes que representarão o estado no 52º Congresso Nacional da UNE. Os paulistas irão se reunir junto com universitários de todo o país para eleger a nova diretoria da entidade, entre os dias 13 e 17 de julho em Goiânia.
Além de definir a nova diretoria que estará a frente da UNE nos próximos dois anos, o CONUNE é o principal fórum de deliberações do movimento estudantil, promovendo discussões sobre temas importantes para os estudantes como educação e política.

Serviço:
O que?
 10º Congresso da UEE-SP
Quando? 23 a 26 de junho de 2011.
Onde? UNIMEP – Universidade Metodista de Piracicaba - Rodovia do Açúcar, km 156 - Piracicaba (SP)
Como? (19) 3124-1515 ou http://www.ueesp.org.br
Da Redação
Foto: Alexandre Rezende

Prefeito de Belo Jardim decreta luto oficial pela morte de José Mendonça


Tão logo foi informado neste domingo da morte do correligionário e amigo, José Mendonça, em São Paulo, o prefeito de Belo Jardim,Marcos Coca Cola (DEM), divulgou uma nota de pesar e decretou luto oficial no município pelo período de 7 dias.
Segundo ele, que estava em SP na hora do falecimento do amigo, o corpo do ex-deputado sairia de Jundiaí, no interior paulista, por volta das 21h deste domingo, com previsão de chegada ao Recife na madrugada desta segunda-feira.

Até as 14h desta segunda, o corpo será velado na Assembleia Legislativa, seguindo depois para Belo Jardim onde haverá um segundo velório no Colégio Diocesano, mesmo local onde também foi velado o cunhado e empreendedor belojardinense Édson Mororó de Moura.

O sepultamento está previsto para esta terça-feira (26), às 10h da manhã, no cemitério São Sebastião.

Inocêncio Oliveira presidirá reunião do PR nesta segunda-feira para tratar das eleições


O deputado Inocêncio Oliveira reunirá o Diretório Regional do PR nesta segunda-feira para tratar unicamente das eleições de 2012.
O partido encontra-se em fase de ''garimpagem'' de lideranças políticas na capital e no interior que estejam dispostas a filiarem-se no partido para disputar mandato de prefeito ou de vereador.

A sede regional do PR fica localizada na Rua São Salvador, 67, bairro do Espinheiro, na capital pernambucana. 

E o sonho de ser prefeito de Belo Jardim não se realizou

Com a morte do ex-deputado José Mendonça, foi-se o último discípulo do ex-governador de Pernambuco, Paulo Guerra, que o ensinou ainda na fase pré-64 que ''em política se deve ter lado''.

E o lado dele sempre foi um só: o das forças que após a queda de Miguel Arraes em 1º de abril daquele ano se aglutinaram inicialmente na Arena, que depois virou PDS, que depois virou PFL, que depois virou DEM, embora nunca tenha sido um reacionário.

3- Era um político de pavio curto, mas de coração largo, capaz de reconhecer o erro eventualmente cometido e de pedir desculpas ao ofendido. Foi-se também um dos últimos remanescentes da geração que começou a fazer política em Pernambuco após o triunfo dos militares, embora ainda se sentisse com saúde e garra suficientes para enfrentar seu último desafio eleitoral: a disputa pela prefeitura de Belo Jardim, no próximo ano, com apoio do prefeito e seu liderado político Marcos Coca-Cola.

4- De Brasília ele não queria mais saber após ter cumprido oito mandatos consecutivos na Câmara Federal. A tarefa de representar o Agreste de um modo geral e Belo Jardim, de modo particular, naquela Casa do Congresso, ele já havia transferido para o primogênito, Mendonça Filho, e para o genro, Augusto Coutinho, ambos eleitos em 2010.

5- Ele achava que sua missão no Congresso estava cumprida desde que delegou ao filho o comando do grupo que sempre esteve sob seu controle desde o início da década de 60. A idade (75 anos) não o assustava porque ele sabia conviver muito bem com a hipertensão e o diabetes.

6- O que o preocupava mesmo era manter a unidade do grupo em Belo Jardim, para, ''por uma questão de vaidade pessoal'', dizia, tentar eleger-se prefeito no próximo ano. Esta unidade esteve abalada no início deste ano depois que os ''demistas'' mais exaltados começaram a levar às ruas a candidatura do sobrinho, João Mendonça, que governou a cidade entre 2001 e 2008.

7- Por certo tempo, Mendonção deixou de falar com o sobrinho por achar que ele estaria sabotando sua pré-candidatura ao cargo de prefeito. Chegou, inclusive, a promover um almoço em sua fazenda para os correligionários do município e não incluiu o sobrinho na relação dos convidados.

8- Isso o distanciou ainda mais da pessoa do ex-prefeito, filho de sua única irmã, Neci. Entretanto, Mendonça Filho interveio a tempo e reconciliou o pai com o primo.

9- Foi precisamente aí que entrou em campo o malfadado ''destino'', de que nos falou Napoleão, cujo maior adepto desta tese no cenário político brasileiro foi o ex-presidente Tancredo Neves. Tancredo acreditava piamente que os passos dos políticos aqui na terra eram guiados pelo destino e que homem nenhum, por mais sortudo que fosse, seria capaz de evitá-lo.

10- Foi por obra e graça do destino que Mendonção fez as pazes com o sobrinho duas semanas antes de adoecer e um mês antes do falecimento, embora não tenha concretizado o sonho de encerrar a carreira política como prefeito da terra natal.

11- A reconciliação fez com que morresse em paz com a família e a consciência, que é o que conta na vida de um homem público.

É isso aí. 

quarta-feira, 20 de abril de 2011

EX BBB 2011 TALULA POSA DE CALCINHA PARA REVISTA.





Batalha dos Guararapes


As Batalhas dos Guararapes foram duas batalhas travadas entre as tropas invasoras neerlandesas e os defensores luso-brasileiros nos Montes Guararapes, actual município de Jaboatão dos Guararapes, ao Sul doRecife, no Estado de Pernambuco, no Brasil.
Por terem sido vencidas pelos luso-brasileiros destacam-se como episódios decisivos na Insurreição Pernambucana, que culminou no término das Invasões holandesas do Brasil, no século XVII. A assinatura da capitulação deu-se em 1654, no Recife, de onde partiram os últimos navios holandeses em direção à Europa.
A primeira batalha ocorreu em 19 de Abril de 1648, e a segunda em 19 de Fevereiro de 1649.
A primeira Batalha dos Guararapes é simbolicamente considerada a origem do Exército Brasileiro devido a ser o episódio onde de acordo com as correntes historiográficas tradicionais em História do Brasil, esse movimento assinala o início do nacionalismo brasileiro, pois os elementos étnicos brancos, africanos e indígenas fundiram os seus interesses na luta pelo Brasil e não por Portugal. Foi esse movimento que deu à população local a verdadeira compreensão de seu valor, incutindo no povo o espírito de rebeldia contra qualquer tipo de opressão
João Fernandes Vieira - Senhor de engenho de origem portuguesa, era mulato e chegou ao Brasil com dez anos de idade, na opinião do historiador Charles Ralph Boxer foi o principal herói da reconquista de Pernambuco. Conforme as palavras do historiador brasileiro Oliveira Lima, "João Fernandes Vieira, apesar de ser de cor, governou Angola e Pernambuco".[2] Em 1645 foi o primeiro signatário do pacto então selado no qual figura o vocábulo pátria pela primeira vez utilizado em terras brasileiras. Na função de Mestre-de-Campo, comandou o mais poderoso terço doExército Patriota nas duas batalhas dos Guararapes (1648 e 1649). Por seus feitos, foi aclamado Chefe Supremo da Revolução e Governador da Guerra da Liberdade e da Restauração de Pernambuco.
André Vidal de Negreiros - Brasileiro que mobilizou recursos e gentes do sertão nordestino para lutar ao lado das tropas luso-brasileiras, um dos melhores soldados de seu tempo, tomou parte com grande bravura em quase todos os combates contra os holandeses. Foi nomeado Mestre-de-Campo, notabilizando-se no comando de um dos terços do Exército Patriota nas duas batalhas dos Guararapes. Comandou o sítio de Recife que resultou na capitulação holandesa em 1654. André Vidal de Negreiros foi na opinião do historiador Francisco Adolfo de Varnhagen o grande artífice da expulsão dos holandeses. Pelos seus feitos foi nomeado governador e capitão-geral das capitanias do Maranhão, de Pernanbucoe o Estado de Angola. É o patrono do 15º Batalhão de Infantaria Motorizado, sediado em João Pessoa.
Filipe Camarão ou Potiguaçu - Indígena brasileiro da tribo potiguar, à frente dos guerreiros de sua tribo organizou ações de guerrilha que se revelaram essenciais para conter o avanço dos invasores, destacou-se nas batalhas de São Lourenço (1636), Porto Calvo (1637) e de Mata Redonda (1638). Nesse último ano participou ainda da defesa de Salvador, atacada pelos melhores soldados de Maurício de Nassau. Distinguiu-se comandando a ala direita do exército rebelde na Primeira Batalha dos Guararapes, pelo que foi agraciado com a mercê de Dom, o hábito de cavaleiro da Ordem de Cristo, o foro de fidalgo com brasão de armas e o título de Capitão-Mor de Todos os índios do Brasil.
Henrique Dias - Brasileiro filho de escravos, conhecido como governador da gente preta, recrutou ex-escravos afro-brasileiros oriundos dos engenhos assolados pelo conflito e dominados pelos invasores, como mestre-de-campo comandou o Terço de Homens Pretos e Mulatos do Exército Patriota nas duas batalhas dos Guararapes, suas tropas também eram denominadas Henriques ou milícias negras. Participou de inúmeros combates, distinguindo-se por bravura nos combates de Igaraçu onde foi ferido duas vezes, participou ainda da reconquista deGoiana e notoriamente em Porto Calvo em 1637, quando teve a mão esquerda estralhaçada por um tiro de arcabuz, sem abandonar o combate decidiu a vitória na ocasião. Quando D. João IV desautorizara a Insurreição Pernambucana há uma breve trégua, mas mesmo assim Henrique Dias escreve estas palavras ao holandeses "...Meus senhores holandeses...Saibam Vossas Mercês que Pernambuco é...minha Pátria, e que já não podemos sofrer tanta ausência dela. Aqui haveremos de perdar as vidas, ou havemos de deitar a Vossas Mercês fora dela. E ainda que o Governador e Sua Majestade nos mandem retirar para a Bahia, primeiro que o façamos havemos de responder-lhes, e dar-lhes as razões que temos para não desistir desta guerra.". Pelos seus serviços prestados também recebeu vários títulos de fidalgo, como a a mercê do Hábito da Ordem de Cristo e a a Comenda de Soure.
Antonio Dias Cardoso - Foi um dos principais líderes da Insurreição Pernambucana e comandou um pequeno efetivo que venceu a batalha dos Montes das Tabocas contra uma tropa muito maior liderada diretamente por Maurício de Nassau e posteriormente também em menor número venceu em Casa Forte a tropa neerlandesa comandada pelo coronel Van Hans, Comandante-Geral holandês no Nordeste do Brasil. Também participou ativamente nas duas batalhas dos Guararapes quando na primeira foi subcomandante do maior dos quatro terços do Exército Patriota, tendo-lhe sido passada a investida da principal frente de batalha por João Fernandes Vieira, na segunda batalha comandou a chamada Tropa Especial do Exército Patriota, desbaratando toda a ala direita dos holandeses.
São insuficientes os registros históricos sobre este personagem, mas acredita-se que tenha nascido em Portugal e vindo ainda criança para o Brasil. Nesta campanha começou no posto de soldado, durante a invasão de 1624 a 1625 teve sucesso ao lado de sua companhia em conter o invasor no perímetro de Salvador que estava cercada pelos melhores soldados de Maurício de Nassau, por seus feitos durante a campanha chegou rapidamente ao posto de capitão, onde foi para a reserva, mas devido ao seu reconhecido valor foi novamente convocado para lutar, era conhecedor profundo das técnicas de guerrilha dos indígenas, onde os mesmos utilizavam-se largamente de emboscadas, e em 1645 recrutou, treinou e liderou uma força de 1.200 pernambucanos mazombos insurretos, armados com armas de fogo, foices, paus e flechas, numa emboscada em que derrotaram 1.900 neerlandeses melhor equipados. Esse sucesso lhe valeu o apelido de mestre das emboscadas.
Devido a seus feitos foi lhe concedido a honra de Cavaleiro da Ordem de Cristo e o comando do Terço de João Fernandes Vieira, do qual havia sido ajudante à época da 1ª batalha dos Guararapes. Em 1656 foi nomeado Mestre-de-Campo, encerrando definitivamente a sua carreira militar. Em 1657, assumiu o governo da Capitania da Paraíba.
Devido a ter comandado a Tropa Especial do Exército Patriota e principalmente por ter operado no passado da mesma maneira que fazem atualmente as tropas de forças especiais, combatendo em menor número, sem posição fixa, usando a surpresa como elemento de combate, utilizando-se de emboscadas, recrutando população local, treinando-as em técnicas irregulares como as de guerrilha, dentre outras coisas, foi homenageado como patrono do 1º Batalhão de Forças Especiais do Exército Brasileiro e por isso é reconhecido atualmente como o primeiro operador de forças especiais do Brasil.

Em cidade de Minas, todos os vereadores têm mandato cassado


Os nove parlamentares de Fronteira, no Triângulo Mineiro, foram afastado por uso indevido da verba indenizatória.
A pequena cidade de Fronteira, no Triângulo Mineiro, a 670 quilômetros de Belo Horizonte, terá uma renovação completa na Câmara Municipal. Denunciados pelo Ministério Público de Minas Gerais pelos crimes de formação de quadrilha e peculato, todos os nove vereadores serão afastados por uso indevido da verba indenizatória.
Relatório da Promotoria de Justiça de Frutal, cidade vizinha a Fronteira, aponta que os vereadores da cidade teriam utilizado o recurso da verba indenizatória até mesmo para comprar bebidas alcoólicas. Os vereadores afastados na última terça-feira são Maurílio Carlos de Toledo, Raidar Mamed, Sileide Nunes do Nascimento Faitarone, João Veraldi Júnior, Nildomar Lázaro da Silva, José Marcelo Soares dos Santos, Eduardo Florêncio de Souza, Daniel dos Reis Linhares Pontes e Samer Saroute. Os suplentes tomarão posse.
O uso indevido da verba indenizatória, entre janeiro de 2009 e setembro de 2010, de acordo com os promotores, deu um prejuízo de aproximadamente R$ 570 mil aos cofres públicos. Uma comissão formada por integrantes do Tribunal de Contas e do Ministério Público de Contas foi enviada à cidade para realizar uma auditoria nas contas da Câmara Municipal.
De acordo com o Ministério Público, o ex-presidente da Câmara Municipal de Fronteira e os demais vereadores foram denunciados por formação de quadrilha (artigo 288 do Código Penal) e peculato (artigo 312 do Código Penal). Funcionários da Câmara Municipal envolvidos também foram denunciados pelos promotores.
Fonte: ultimosegundo.ig.com.br

Câmara aprova projeto que regulamenta lan houses


 O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (19) a regulamentação do funcionamento das lan houses, que passam a se chamar centros de inclusão digital. O texto prevê que os estabelecimentos sejam obrigados a registrar nome e identidade dos usuários, mas não prevê punições, informa o G1. 
O projeto ainda precisa ser votado no Senado antes de virar lei. O texto incentiva a legalização das lan houses e determina que elas criem instrumentos para impedir o acesso de menores a conteúdos adultos. Os estabelecimentos terão ainda prioridade no acesso às linhas de financiamento especiais da administração pública para aquisição de computadores, de acordo com a proposta.
De acordo com o deputado federal Otávio Leite (PSDB-RJ), relator do projeto na Câmara, quem ganha com a regulamentação das lan houses é o usuário. "As lan houses poderão se equipar melhor, firmar parcerias com o poder público e elas passarão a ter uma vida dentro da ordem jurídica. Sairão dessa situação à margem da sociedade", disse o deputado ao G1 após a aprovação do projeto.

Militares não obtêm censura da novela que trata de repressão


O Ministério Público Federal no Distrito Federal arquivou nesta segunda-feira pedido de uma associação de militares para censurar a novela do SBT 'Amor e Revolução', que retrata a repressão a militantes de esquerda durante a ditadura (1964-1985).  Segundo a Procuradoria, não foram apresentados elementos mínimos para justificar a investigação.  Em um abaixo-assinado na internet, a Abmigaer (Associação Beneficente dos Militares Inativos e Graduados da Aeronáutica) evocava a Lei da Anistia, que não instituiu qualquer tipo de cerceamento a informações sobre o período, para pedir a censura.
'Conjecturar que a teledramaturgia será exibida em troca de negociatas, objetivando desqualificar a imagem das Forças Armadas, pode ser tão nocivo quanto censurar o folhetim', afirma o procurador Peterson de Paula Pereira. O grupo conseguiu 839 assinaturas desde o começo do mês. Para o autor da novela, Tiago Santiago, a tentativa era inconstitucional e interessava apenas a 'torturadores e assassinos' do regime.

Cuba ''renovou'' o poder: Raúl, 79 anos, e Ventura, 80 anos


''Não é o perfeito, mas é o que podemos fazer por enquanto'', disse ontem o ditador de Cuba, Raúl Castro, 79, ao ser confirmado como chefe máximo do Partido Comunista e informar que o novo número 2 da legenda é o também líder histórico Ramón Machado Ventura, 80. O tom de justificativa de Raúl, no encerramento do 6º Congresso do PC, tinha um motivo: o anúncio de que será a 'velha guarda' que comandará as reformas econômicas anunciadas para a ilha contrasta com a promessa de promover um 'rejuvenescimento sistemático' do PC feita dias antes por ele mesmo. O encontro histórico marcou a exclusão formal do líder da Revolução de 1959, Fidel Castro, do cargo que ocupava há décadas e que agora é de seu irmão Raúl: o de primeiro-secretário da legenda.
Veterano da guerrilha de Sierra Maestra, Ventura, que já era desde 2008 vice-presidente do país, é o segundo-secretário. Fidel, 84, fez uma aparição surpresa na cerimônia. De abrigo esportivo, o ex-ditador -que, doente, deixou o poder em 2006- caminhou devagar até a mesa principal do encontro. Foi ovacionado, enquanto a TV estatal focava militantes às lágrimas. Não disse uma palavra.(Folha de S.Paulo - Flávia Marreiro)

Eduardo quase ausente das disputas municipais




Por ter construído uma relação direta com o povo pernambucano, que atribui hoje ao seu governo, segundo pesquisas idôneas e recentes, mais de 90% de aprovação, o governador Eduardo Campos deverá ficar distante das disputas municipais do próximo ano. Ele tem o apoio de 17 partidos (18 com o PSD) e em 110 dos 184 municípios ultrapassou a barreira dos 90% dos votos válidos e não tem mesmo que se envolver nas brigas locais pelo controle da prefeitura, dado que nada ganharia com isto.
Além do mais, em cerca de 140 municípios ele foi apoiado pelos ''dois lados'' e se tomasse partido por um, automaticamente desagradaria ao outro. Ele está decidido a não tratar de eleições antes de maio/junho do próximo ano e quem o procurar para debater essa questão vai quebrar a cara porque ele imediatamente cortará a conversa. Só aceita conversar sobre temas administrativos por estar convencido de que a pauta do povo é esta e não a eleição que só irá realizar-se em 2012.
Sendo assim, presume-se que em cerca de 150 cidades do interior ele estará ausente dos palanques, deixando que o povo decida, sem sua interferência, quem deseja ver na prefeitura. Sua presença só estará garantida em cidades como Caruaru, por exemplo, onde, segundo diz o ex-deputado Fernando Lyra, existem ''o lado de lá'' (Tony  Gel e Miriam Lacerda) e o ''lado de cá'' (João Lyra, Jorge Gomes e José Queiroz). Onde houver mais de um candidato da Frente Popular ele ficará equidistante.       
Sem aviso – O vereador João Arraes (PSB) não quer radicalizar, em absoluto, suas críticas ao prefeito João da Costa. Mas ficou profundamente incomodado com duas coisas: a viagem dele à Espanha em pleno inverno e o fato de não ter dado ciência à Câmara de que iria ao exterior.